O ciclismo é uma prática esportiva indicada pela OMS nesse momento de pandemia.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda atividades como caminhar e andar de bicicleta como meios de exercício e de locomoção.

“Sempre que possível, considere andar de bicicleta ou caminhar: isso proporciona distanciamento físico, ajudando a cumprir o requisito mínimo para a atividade física diária, que pode ser mais difícil devido ao aumento do tele trabalho e acesso limitado ao esporte e outras atividades recreativas”.

Pedalar é uma prática que traz diversos benefícios para a saúde física e mental, seja a bicicleta usada para lazer, locomoção ou como instrumento de um esporte organizado.

Aqui uma lista de benefícios físicos e psicológicos proporcionados pela modalidade.

Nas crianças e adolescentes:

Resistência cardiorrespiratória;

Aptidão muscular;

Composição corporal;

Melhoria da saúde óssea;

Melhoria no desenvolvimento do sistema cardiovascular e biomarcadores de saúde metabólicos.

Nos adultos:

Menor risco de morte precoce por AVC, diabetes tipo 2, pressão arterial elevada, perfis lipídicos adversos no sangue, síndrome metabólica, cólon e cancro do peito;

Prevenção de peso;

Perda de peso quando combinado com dieta;

Melhoria do sistema cardiorrespiratório;

Melhoria da circulação sanguínea;

Aptidão muscular;

Prevenção de quedas.

Além dos benefícios físicos citados acima, o ciclismo demonstrou estar associado a benefícios psicológicos, cognitivos e de funcionamento social, como:

Menor risco de depressão, angústia e estresse;

Melhor tempo de reação, atenção, coordenação e precisão durante as tarefas diárias;

Um nível mais alto de interação social percebida e real, respectivamente.

O contra ponto são sucessivas noites mal dormidas e um sono pouco restaurador, que é fator de risco associado a vários problemas cardíacos como, por exemplo, o aumento do risco de calcificação ou hipertensão arterial coronariana e pode acarretar outras doenças como diabetes, depressão e obesidade, além de causar uma diminuição no desempenho cognitivo, o que piora sua atenção e memória.

A noite de descanso ajuda o ciclista a regenerar os músculos e tecidos danificados após um treino exigente. O que evita possíveis lesões, especialmente musculares, nos próximos esforços que fazemos na bicicleta. Além disso, o sono reparador regula a liberação de cortisol (hidrocortisona), um hormônio que controla nosso nível de estresse e aumenta a atividade do sistema imunológico e fortalece nossas defesas contra possíveis doenças.

Então, caro ciclista, não dispense uma boa noite de sono antes de sair para o pedal!

Você se sente cansado demais para fazer sexo? Sono regulado contribui para o desejo sexual?

A ciência mostrou que é um ciclo vicioso: a falta de sono prejudica a vida sexual e a falta de sexo afeta o sono.

Após o orgasmo, o corpo libera hormônios como oxitocina e dopamina, substâncias envolvidas no prazer e no bem-estar, que proporcionam sensações que estimulam um sono melhor. E dormindo melhor aumenta a libido.

“Quem sofre de distúrbios do sono – como apneia – ou dorme pouco apresenta baixa da libido e piora na qualidade das relações sexuais, porque há uma alteração negativa na liberação dos hormônios que comandam o desejo sexual, como a testosterona e o estrógeno”, afirma o neurologista Fernando Morgadinho, especialista em medicina do sono e professor adjunto de neurologia da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

A falta de sono provoca uma queda na circulação e na frequência cardíaca, o que é uma má notícia para quem quer fazer sexo: a vascularização sanguínea fica direcionada ao coração, aos rins e ao cérebro. Ou seja, não “sobra” sangue para uma ereção ou para a lubrificação feminina no nível necessário para uma boa relação sexual.

Dormir bem, portanto, é interessante para evitar problemas nas próximas noites íntimas.

Além disso, a psiquiatra Carmita Abdo, coordenadora do Programa de Estudos em Sexualidade da Universidade de São Paulo (USP) e presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria, ressalta que o bom sono de hoje pode garantir a qualidade do sexo de muitos anos à frente.

Mas não dá para fazer sexo quando se está com sono? Claro que dá, mas dificilmente será sexo de qualidade, aquele que deixa todo mundo feliz. “No ‘sexo cansado’ as chances de sentir e mesmo de dar prazer são muito menores”

E fazer sexo bom ajuda a dormir? “Existem duas coisas boas que podem ser feitas na cama para relaxar: dormir e sexo”, diz Morgadinho. Ele explica que o sono é melhor depois do orgasmo por causa da liberação do hormônio prolactina, que diminui a ansiedade e facilita o início do sono.

No entanto, o sexo não é a única saída. Depois de um dia intenso e cansativo, apenas dormir junto com o parceiro pode ajudar a liberar oxitocina, melhorando também a qualidade do sono.

E aí, foi bom pra você?